terça-feira, 2 de junho de 2009

Amor e brincadeira.






Ela não tinha mais de nove anos, ainda com os dentes de leite a cair, cara de menina que ainda brinca com as "barbeis" , e dorme com o Tobias o ursinho de estimação, as tranças pretas- uma mala preta enorme, roubada à mãe, ou no mínimo à avó, sapatatilhas lindas da Kitty, um pouco de pintura nos olhos, porque isto de ser grande é muito complicado, e andar com ele, pouco anos mais velho que ela, eu díria para aí...um ano, não mais, cara de traquinas q.b. t-shirt amarela, sempre com aquele sorriso troção, mais fazia tudo para parecer quem mandava ali, os dois da mesma estatura, ela pedia-lhe um beijo, ele fazia-se de caro e virava a cara, para logo lhe dar um beijo terno na testa, ela ainda ensaiou aquele truque das mulheres apaixonadas, o de encostar a cabeça ao ombro dele, claro que baixavou-se um pouco e lá concedia o seu ombro para ela mostrar o seu "amor". De repente ela levanta-se e preparava-se para lhe dar um beijo na boca, a sério, daqueles que só os adultos sabem dar, ele mostra-se autoritário e gozão e nega-lho e um com ar do mais "patifório" que já vi , diz-lhe !
- só tu dou amanhã por volta desta hora.
Ela encolhe os ombros, e dá-lhe a mão em sinal de conciliação. Tinham chegado à paragem de saída, abre-se as portas do autocarro, e aqueles pardalitos voaram...voaram.


Se isto não é amor, o que será o amor ?
Episódio passado hoje no autocarro da Rotunda para a Alameda D.Afonso Henriques, quando voltava cansado, mas ao mesmo tempo quase a a babar-me de ternura ao observar esta cena.

2 comentários:

carla mar disse...

o AMOR :)

beijokinhas

Emigrante disse...

São cenas e momentos destes que nos fazem acreditar...

Beijos

teresa