sábado, 5 de setembro de 2009

O que o antigo dono da TVI pensa desta tramóia.


TVI: "Comigo, o Jornal de Sexta nunca teria existido" - Miguel Pais do Amaral.

O antigo presidente da Media Capital, Miguel Pais do Amaral, disse hoje à Lusa que caso tivesse continuado na empresa o Jornal de Sexta "nunca teria existido".
"Este jornal nunca teria existido", respondeu o dono do grupo editorial Leya, interrogado pela Lusa se teria tomado uma posição idêntica à do grupo Prisa, actual proprietário da TVI, que na quinta-feira cancelou o jornal de sexta apresentado por Manuela Moura Guedes.
Para Pais do Amaral, a suspensão do telejornal deve ser analisada de duas formas: quanto à forma e quanto ao conteúdo.
"Quanto à forma - ‘timing’ e forma como a decisão foi tomada e comunicada - não foi boa. O ‘timing’, obviamente, é muito mau. E a forma como foi comunicado também não foi boa. Quem deveria ter comunicado a decisão deveria ter sido o director de informação, e se ele não o quisesse comunicar devia ter sido previamente substituído", afirmou.
Enquanto considera que "há claramente um problema de forma", Pais do Amaral diz que o quanto ao conteúdo, o procedimento "está perfeito".
"Não entendo como é que só agora é que esta decisão foi tomada. Penso que aquele jornal excedia tudo o que era possível em termos de limites do aceitável e que muita gente estava à espera que isto acontecesse mais cedo do que mais tarde", disse.
Miguel Pais do Amaral considera que "aquele jornal não se enquadra naquilo que a Prisa faz, do ponto de vista de informação, séria e credível, e também não se enquadra sequer naquilo que já era hoje em dia o perfil de informação da TVI".
"Claramente aquilo era uma situação anómala e inconcebível", acrescentou.
A administração da Media Capital anunciou quinta-feira a suspensão do jornal apresentado por Manuela Moura Guedes, o que levou à demissão da direcção de informação e chefia de redacção do canal de Queluz.
JRS.
Lusa/fim.


É mais que evidente que esta tramóia concebida por "testas de ferro" e alguma C-S. ligados ao PSD e CDS, cabe aqui lembrar que Manuela Moura Gurdes foi em tempos deputada ao Parlamento pelo CDS, esta campanha de suspeição está perfeita identificada então.

1 comentário:

MARIINHA disse...

Realmente a altura para ser tomada uma decisão destas não foi a melhor. Acho que já deveria ter sido tomada há muito tempo. Aquilo não era jornalismo, nem ela é uma verdadeira jornalista.
Agora claro, todos se querem aproveitar disto. Não sei quem estará por detrás, mas que o programa era medíocre, era. Bom fim de semana